“Uma lente sobre a mulher Urbana”

Ela retoca o batom, amarra o salto alto e sai. Da janela do apartamento o dia clama por sua presença. Nas calçadas da metrópole suja, seus passos são esperados. Os poetas urbanos recitam versos, os profissionais noturnos batem seus cartões salariais, as vítimas automáticas aguardam a chegada da mulher dos cabelos aos ventos que assobiam seu nome. Os prédios se agigantam a cada tom do desfile de passos que ela marca pelo caminho. E ele ali escondido atrás das lentes da câmera que registram a musa amada em carinho platônico de deseja-l

O relógio aponta os números ideais para o início da persuasão feminina. E os pertencentes ao mundo agarrado se rastejam na gosma que sai de seu caminhar. E o dia surge nos vidros que refletem e marcam as lentes que a vigiam, em indiscreta paixão. E quando ela para e assiste um romance que dança pelas letras tatuadas nas páginas dos livros a vida para e assiste outra vida.

Diante da impossibilidade de continuar a crônica vivida, o homem que a ama em vigia guardo a luneta, toma um copo de leite e vai se deitar. Quem sabe assim nos sonhos a mulher exista em suas mãos que não se cansam das lentes.

 

@dimorales

( vamos nos declarar…viver o amor seja ele puro, impuro ou proibido… ame e se revele)

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Devaneios, Variados

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s