Arquivo da categoria: Protesto

O dom de ser invisível

Oi, muito prazer. Eu sou o homem invisível e vou falar pra vocês como é bom ser invisível.

Sou de família humilde, não sou invisível por que quero. Eu nasci assim, não tive escolha, nasci invisível. Vocês podem não ver, mas existem vários iguais a mim nas ruas. É como um universo paralelo. Vocês não vêem a nossa gente, não tem como se importar com algo que não vê. Eu não culpo você humano por nós invisíveis sermos ignorados, afinal, é como eu já disse, nós nascemos assim.

Mas nós, nós vemos vocês. Nós estamos aqui todos os dias vendo vocês, observando vocês, vendo vocês acordando pra andar no parque, enquanto nós já moramos no parque. Nós vemos vocês indo trabalhar, enquanto nós nunca arrumamos emprego. Vemos vocês no churrasco com a família, enquanto nós não podemos comprar comida. Vemos vocês brincando com seus filhos, enquanto nós temos que ver nossos filhos pedir e roubar. Vemos no almoço quando procuram o melhor restaurante, enquanto nós temos que… temos que ficar olhando.

Uma vez uma criança me viu e correu de medo, eu a fiz chorar. Os humanos têm medo de nós e quando nos vêem querem nos destruir, posso ouvir os pensamentos deles, ver o olhar deles. Vocês não podem nos ver, mas sabem que estamos aqui, isso vocês sabem.

Por sermos invisíveis, temos a sensação de que somos ignorados, mas sabemos que não é assim. Sabemos que os humanos não nos odeiam só que não nos enxergam, mas saber que não é por querer não nega o sentimento ruim que passa. Por isso moramos assim, debaixo de pontes e casas abandonadas, nas estações de metrô e terminais a noite. Moramos em qualquer lugar onde não ha humanos, onde não desejaremos ser humanos, onde não desejaremos os mesmos direitos. Não podemos desejar direitos iguais se não somos iguais, então… então a gente se esconde.

Eu sonho com isso toda noite que consigo dormir, sonho em ser humano um dia. Sonho ser igual a vocês. Poder fazer tudo sem olhares de desprezo, poder fazer meus filhos felizes, ir ao parque com eles, dormir em camas quentes. Eu arrisco a dizer que nós invisíveis só queremos ser notados, ser notados como humanos, como iguais.

@emanoelsimon colaboração @PalomaScheffer

5 Comentários

Arquivado em Devaneios, Protesto